Contos eróticos → Contos Pornô com Histórias Reais de Sexo » Gay » Chupei o pau do segurança da empresa

Chupei o pau do segurança da empresa

Publicado em fevereiro 3, 2021
2 votes

Quando eu fui promovido a gerente, fui deslocado para uma filial na capital, e como só voltava para minha cidade as sextas, onde estavam minha noiva, amigos e familiares acabava ficando tempo a mais empresa.

Era um prédio de 4 andares, e a noite só estava eu no terceiro, as vezes passava um guarda para confirmar meus dados. Um dia esse guarda (moreno de pele, careca, 1,85) sentou na mesa da frente e conversamos um pouco, aquilo virou rotina, fazia passar o tempo, um dia, ele estava chegando, e eu estava saindo, “- ja vai dr?”, “Ainda nao, estou indo ao banheiro”, “- Vou aproveitar e vou também”, eu ainda estava mijando quando ele deu um passo pra trás “- Merda!”, eu virei e ele estava com a calca aberta a rola (morena, mole e grande) balançando pra fora da calca e a calca respingada, “Que merda hein”, ” – Pior que vim sem cueca (ele viu que olhei, ai ele segurou ela), ai fica respingando mais” e balançou.

Nunca tinha olhando uma rola alheira, sempre joguei futebol e nunca liguei pra todos pelados no vestiário, mas aquela situação absurda me fez falar sem pensar. ” Sem cueca é foda, e se ficar du… ” parei no meio, ele deu uma risada leve ” – Agora fudeu ” tinha acabado de mijar e virei, a rola dele ainda estava pra fora e a meia foda, nem toda dura nem mole, ele falou ” – Nao posso ficar assim ” e puxou a pele liberando uma cabeça vermelho escura, ” – vou ter que me virar, apesar que a culpa é sua”. ” Minha? “. ” – Sim, (e ficou punhetando de leve e ela crescendo) foi falar de rola dura e ainda encarou ela três vezes”. “Para de graça”.

Primeira vez que chupei um pau

Ele veio na minha direção, eu estava parado, ainda perto do mictório, ” – Serio, vc devia no mínimo me punhetar “, eu nem sei onde estava com a cabeça mas quando ele colocou a rola na minha mão eu segurei e já movimentei numa punheta, punhetei um pouco, e o pau dele esta grande e duro na minha mão e o meu na calca, ele percebeu e alisou por cima da calca, depois abriu o zíper e me punhetou umas 5 vezes e já gozei, ele riu. – Ta gostando ne dr ?

Começou a alisar minha nuca, ” – Quer sentir o gosto? (antes de eu poder falar ele completou) sei que quer, e nos dois sabemos que ninguém vem aqui (apertava minha nuca, numa mistura de carinho e dominação) abaixa e coloca o negao na boca”. Eu apenas obedeci, abaixei curvado, ainda em pé, e beijei a cabeça, segurando com o lábio em volta e passei a língua no que estava dentro da boca, o carinho na nuca foi de aprovação e de forcando para colocar mais na boca, atendi e enquanto sentia a rola dele entrando na boca tinham carinhos e apertões na nuca.

Voltei raspando com o dente ” – Ah seu filha da puta, aprendeu isso com sua noivinha? ” E empurrou minha cabeça de novo para a rola entrar, comecei a alisar o saco com a mão e chupar mais rápido, mas a posição nao ajudava, então ajoelhei, e isso levou ele ao delírio.  “A  doutorinha quer ajoelhar pro negao ne, abre essa boca que vou fuder ” ele segurou meu rosto dos dois lados e realmente fudeu minha boca, com forca porem com maestria, tirou o pau da minha boca do nada e bateu com ele no meu rosto algumas vezes, depois voltou a fuder, só que dessa vez tentou enfiar o máximo que conseguia e segurava, um pouco e soltava, eu estava me punhetando de novo, enquanto ele brincava de encher minha boca e carne, começou a fuder de novo e sem avisar encheu minha boca, virei o rosto pro lado, e ele me segurou pelo queixo ”

Engole, (com a outra mão deu um tapinha no meu rosto) engole e mostra a língua. ” Fiz o que ele mandou e ganhei mais dois tapinhas no rosto, ” Isso ai doutorinha, tem que fazer o que o negao manda, se nao o negao nao vai comer essa sua bundinha numa próxima noite”. Deu as costas e saiu do banheiro se arrumando, eu me limpei depois sai, peguei minhas coisas e fui embora, chorei no carro, me sentindo um merda, mas quando fui tomar banho fiquei imaginando ele me comendo e gozei no chuveiro.

Naquele fim de semana foi muito com minha noiva que ficou ate surpresa com minha vontade toda. Reparei cada movimento quando ela me chupava e me dava a cuzinho. E na segunda e na terça trabalhei ansioso mas o segurança não estava lá quarta e quinta tive reunião em outro prédio no final do dia e na sexta fiquei até muito tarde mas estava com dois funcionários meus.

Sábado de manhã, umas 7 cheguei na empresa para finalizar o material que precisava entregar e umas 9 fui ao tomar um café e vi o segurança passar com outro segurança e depois ele voltou sozinho.

-Bom dia dr. trabalhando de sábado?
-Essa semana tive que ir pra outro prédio em reuniões no final do dia. E ficou coisa pendente.
-Realmente ficaram coisas pendentes. – passou a mão na rola, olhei.

– Mas o bom que sem ninguém aqui da para colocar em dia.  Ele virou digitando no celular

– Vou ver se não tem nada no andar e depois olhar o banheiro.

Saiu andando e eu com o recado dado acabei o café e fui para o banheiro mijar. No final da mijada aquela mão na nuca que eu não tinha esquecido.
-A Dra. tá ficando muito putinha só porque falei que passaria aqui já veio correndo.
-Não me chame assim. Vim aqui pra dizer que foi uma maluquice e que não vai rolar mais.
-Então eu coloco o negão de volta para a calça e vou embora?

Tentei virar o rosto para ver se ele estava mesmo com a rola pra fora.

– Não, se o Dr. não quer mais, não precisa conferir nada. Agora se quem está aqui nesse banheiro é a Dra que conheci quero que você diga que quer ver o negão. Ou seja, se quiser que eu vá embora somente diga. O Dr.  aqui não quer. Mas se não, pode me falar que minha putinha engolidora de porra esta com saudade de repetir a chupeta no negão.

Ele apertou minha nuca com aquele jeito dominador enquanto falava. Esperei longos 2 seg.

– Tá bom eu quero. Ele apertou firme minha nuca

– Q u e m? Q u e r? o q u e?
-Sua Dra quer o negão. Ele continuava segurando só que passava a rola que estava pra fora na minha e bunda.
– Acho que esse pedido pode melhorar pu – ti- nha.
– Sua putinha que engoliu sua porra, esta louca para colocar o negão na boca oura vez.

Ele riu. Colocou a boca no meu ouvido e mandou.

-putinha…. ajoelha e chupa.

Ajoelhei e segurei a rola dele que já estava dura e comecei a punhetar ele. Ele tirou minhas mãos e ficou segurando elas, olhei para ele ali ajoelhado.

– Pelo que lembro mandei a putinha chupar. E segurando minhas mãos começou a bater a rola na minha cara.

Eu fechei os olhos e fiquei tentando pegar a rola com a boca, involuntariamente, ele riu, soltou minhas mãos e me puxou em direção a sua rola que não balançava mais e agora estava parada na minha cara enquanto minha boca lambia seu saco. Depois fui subindo lambendo toda aquela rola ate chegar a cabeça que foi abraçada pelos meus lábios. Ele segurou minha cabeça ali e fiquei lambendo a cabeça ate o ponto que ele decidiu empurrar a rola para dentro da minha boca, segurou um pouco e tirou, repetiu isso até o momento que ia mais fundo e quando tirava minha boca e sua rola ficavam toda babada.

Ele deu um tapinha na minha cara, e falou mais alto: putinha agora chupa com gosto.

Comecei a chupar com vontade e punhetar ao mesmo tempo, ouvi um barulho, ele segurou minha mão e me olhando nos olhos disse: Continua putinha!

E assim fiz…. foi uma delícia. Repetimos outras vezes até ele comeu meu cuzinho.

1919 views
Gay

Contos relacionados

Pegando a empregada bunduda de jeito

Fudendo o cuzinho da empregada bunduda no banheiro de casa ... Um verdadeiro tesão!

LER CONTO

Dando para o vizinho gato

O vizinho sempre que me olha dá uma piadinha, só que nunca levei fé porque ele é casado. No entanto, pelo fato de sermos vizinhos somos amigos, pois bem depois disso ele sempre vivia passando a...

LER CONTO

Meu primo meu leiteiro

Fui criado muito próximo da família, sempre estava visitando as tias e convivia em especial com um primo, Adriano (fictício ) que era uns 2 anos mais velho. Sempre que tinha um tempo livre o...

LER CONTO

Pegando um bronze

Para Os Sacanas, todo dia é dia de sol... Dona Maria e Aninha pegando um bronze e Carlinhos só de olhos nas duas de topless...

LER CONTO

Na época do troca troca ep 03

Antes de mais nada recomendo que veja os contos anteriores para entender. Como dito anteriormente o.meu bairro tinha várias casa em construções. Então era normal. brincamos nelas a noite ou...

LER CONTO

Virei garota por uma noite

Ola! Vou contar aqui um episodio real que aconteceu comigo quando eu tinha 21 anos. Esse é meu primeiro conto. Espero que gostem. Boa leitura! Sou magro, atlético e bastante curioso. Mesmo depois...

LER CONTO

Revivendo uma rola depois de tempo

Olá, tudo bem com vocês? Bom, antes de tudo me permitam dizer que o que passo a relatar, a partir daqui, não se trata de algo fabricado em minhas fantasias, porém algo que de fato aconteceu. ...

LER CONTO

Uma noite no acampamento dando a bundinha

Eu tinha 29 anos, recém-formado em licenciatura em Educação Física. Um dia, fomos acampar numa reserva florestal. Ficamos alojados num acampamento próprio para estudantes e professores. Como...

LER CONTO

Suruba na balada LGBT

Me chamo Saulo (fictício) e esse fato ocorreu numa balada LGBT de uma determinada cidade. Estava recém chegado na cidade e tinha saído na noite  para conhecer as baladas. Fui em balada LGBT ...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 3 + 3 = ?
Deixe sua imaginação aflorar com os melhores contos eróticos reais do Brasil. Contos Picantes e Sensuais com textos bem formulados, com uma leitura fácil e agradável. São centenas de contos adultos grátis da melhor qualidade com fotos amadoras das histórias de sexo.
porno - xvideos - contos eroticos - contos eróticos - conto erotico - quadrinhos eroticos - contos de sexo - hentai - hentai porno
© 2021 - Contos eróticos → Contos Pornô com Histórias Reais de Sexo